Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

A igreja que serve, adora e testemunha

A igreja que serve, adora e testemunha
Pr.Aldivan Carvalho

No livro de João, conseguimos verificar as três grandes crises que o Senhor Jesus enfrentou durante o seu ministério aqui na terra:
• Crise do abandono – “Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.” Jo 6.66
• Crise da incredulidade – “E, ainda que tinha feito tantos sinais diante deles, não criam nele.” Jo 12.37
• Crise da morte – “E, levando ele às costas a sua cruz, saiu para o lugar chamado Caveira, que em hebraico se chama Gólgota, onde o crucificaram.” Jo 19. 17,18
A única crise que Jesus nunca enfrentou foi a crise de identidade. Ele sabia quem Ele era. Ele sabe quem Ele é.
• Ele é um com o Pai – Jo 10.30 “Eu e o Pai somos um”
• Ele é o Pão da vida – Jo 6.48 “Eu sou o Pão da vida”
• Ele é o Alfa e o Ômega – AP 21.6 “Eu sou o alfa e o ômega. O princípio e o fim”
• O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – Jo 1.29
• Maravilhoso, conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da Paz – Is 9.6
Apesar das afrontas, das injúrias, das perseguições que culminaram em grandes crises, Jesus nunca pensou em desistir. E exatamente no momento em que os fariseus formavam conselho para matar Jesus. Quando eles o estavam procurando para prendê-lo e matá-lo, ainda assim Ele foi para Betânia, localizada a 3 km da fortaleza de seus inimigos.
Já parou para pensar porque Jesus foi para Betânia? Porque Ele correu esse risco? Jesus não estava preocupado em correr risco. Ele queria era passar algum tempo sossegado com seus amigos queridos, Lázaro, Marta e Maria. Eu diria que Jesus foi ao encontro de sua igreja.
Lá Ele foi servido, adorado e testemunharam o que Ele fez. Jesus gostava daquele lugar. Ele se identificava com aquele lugar. Jesus se identifica com a igreja. Gosto de comparar aquela casa em Betânia com a igreja. Eu vejo a igreja naquela família.
Três aspectos fundamentais em uma igreja existia naquela família: serviço, adoração e testemunho.
Marta ocupou-se de servir a todos; Maria ficou aos pés de Jesus em adoração enquanto Lázaro era o testemunho vivo do poder de Deus. A igreja verdadeira que foi lavada e remida pelo sangue de Jesus. A igreja que se santifica diariamente. A igreja que se alimenta na Palavra de Deus e pratica a Palavra de Deus, tem esses três aspectos.
Serviço
Marta representa o trabalho ao servir a ceia que havia preparado para o Senhor. Seu serviço foi uma oferta de fragrância tão agradável quanto o bálsamo de Maria. Com este serviço Marta também estava adorando ao Senhor Jesus.
Adoração
Maria representa adoração. Ela ungiu Jesus com o melhor que ela tinha. Um assalariado precisaria trabalhar um ano para comprar esse tipo de bálsamo.
Assim como Davi, Maria recusou-se a dar ao Senhor o que não havia lhe custado coisa alguma. “Porém o rei disse a Araúna: Não, mas por preço justo to comprarei, porque não oferecerei ao Senhor meu Deus holocaustos que não me custem nada. Assim Davi comprou a eira e os bois por cinqüenta ciclos de prata.” 2Sm 24.24
Maria de Betânia não estava no meio das mulheres que foram ao túmulo ungir o corpo de Jesus. Ela o ungiu enquanto Ele estava vivo. Ela não precisou ir a um túmulo para ungir Jesus. Jesus foi até a casa dela.
As mulheres que foram ao sepulcro não conseguiram ungir Jesus. Sabe por quê? Porque foram procurá-lo no meio dos mortos. JESUS ESTÁ VIVO!
O ato de adoração de Maria perfumou toda a casa onde estavam ceando, e a bênção desse gesto espalhou-se pelo mundo. “Em verdade vos digo que, onde quer que este evangelho for pregado em todo o mundo, também será referido o que ela fez, para memória sua.” MT 26.13
Adore ao Senhor. Porque assim como foi com Maria, sua adoração vai perfumar este lugar e vai se espalhar como bênção pela tua casa, vizinhança, etc.
Quando se colocou aos pés de Jesus, Maria assumiu a posição de serva. Quando soltou os cabelos (algo que as mulheres judias não faziam em público), humilhou-se e depositou sua glória aos pés do Senhor Jesus.
Testemunho
Lázaro representa o testemunho. Em Jo 11.11 – Jesus diz: “Nosso amigo lázaro dorme, mas vou despertá-lo.” Em Jo11. 43 – Jesus diz: “Lázaro sai para fora.”
O povo ia a Betânia só para ver esse homem que havia sido ressuscitado. O NT não registra nenhuma palavra de Lázaro, mas sua vida miraculosa foi um testemunho eficaz do poder de Jesus.
Por outro lado temos João Batista que não realizou sinal algum, mas suas palavras conduziram o povo a Jesus. “E muitos iam ter com ele e diziam: Na verdade João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse deste era verdade. E muitos ali creram nele.” Jo 10.41.42
Uns testemunham com a vida, outros com palavras. Mas todos testemunham e levam outros a Jesus.
Retaliação
Enquanto Maria adorava ao Senhor Jesus, alguém ali começou a criticar. Judas disse que era um desperdício o que Maria estava fazendo. E os outros apóstolos seguiram seu exemplo não sabendo que Judas era um diabo. Respondeu-lhe Jesus: “Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo.” Jo 6.70
A crítica não veio de fora, mas de dentro da própria casa. Nem todos ali eram adoradores. Cuidado com o que você ouve. Cuidado com quem você fala.
Podemos ver Maria e Judas no contraste de Provérbios 10.7: “A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perversos cai em podridão.” Eclesiastes 7.1 diz: “Melhor é a boa fama do que o ungüento precioso.” Maria teve os dois.
A igreja que tem serviço, adoração e testemunho é um lugar de refúgio. Jesus foi para aquela casa buscar refúgio e encontrou. No meio da crise Ele foi para onde era amado. Aquela noite tranqüila de comunhão com certeza animou e fortaleceu o coração de Jesus, no momento em que estava prestes a encarar os compromissos da última semana antes da cruz.
Venha para a igreja para se refugiar nos braços de Jesus. Venha para a igreja descansar no esconderijo do altíssimo.
Características da Igreja que Tem Serviço, Adoração e Testemunho
Deseja ardentemente estar com Jesus
Os escribas e fariseus só querem ver os sinais e milagres – “Então alguns dos escribas e dos fariseus tomaram a palavra, dizendo: Mestre, queremos ver da tua parte algum sinal”. Mt 12.38.
Mas aqueles que querem servir a Jesus, adorar a Jesus e testemunhar o que Jesus tem feito em suas vidas não estão atrás dos sinais. Estão atrás daquele que faz os sinais – “Estes, pois, dirigiram-se a Filipe, que era de Betsaida da Galiléia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queremos ver a Jesus.” Jo 12.21
É como uma semente que está pronta para morrer para dar fruto
Jesus usou a imagem de uma semente para ilustrar a grande verdade espiritual de que não pode haver glória sem sofrimento. A semente em si é fraca e imprestável, mas quando é plantada, ela “morre” e se torna fecunda. Só quando uma semente é plantada é que pode alcançar seu objetivo.
Somos pequenos e insignificantes como sementes, mas trazemos dentro de nós a vida de Deus. Porém, essa vida não pode se consumar, a menos que nos entreguemos a Deus e deixemos que Ele nos plante. É preciso morrer par si mesmo, a fim de viver para Deus. (Gl 2.20)
Não busca o conforto, mas a conformidade
O maior desejo de Deus não é nosso conforto, mas sim, nossa conformidade. Não a de Romanos 12.2. Mas de Romanos 8.29 – Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.

Read More

Você está no barco certo?

Você está no barco certo?
Pr. Aldivan Carvalho

Mateus 14. 22-36
Após alimentar a multidão, Jesus percebeu que queriam torná-lo rei, e ele viu o coração daquele povo.
Então mais que depressa Jesus providencia a retirada de seus discípulos para que eles não fossem contaminados pelos desejos do coração da multidão.
Sabendo que vinha uma tempestade, Jesus mais que depressa tratou de embarcá-los em direção a tempestade.
Mas espere. Jesus enviou os discípulos direto para a tempestade?
Sim. Porque os discípulos estariam mais seguros no meio da tempestade e dentro da vontade de Deus do que em terra com a multidão e fora da vontade divina. (Às vezes Deus nos envia para o meio de uma tempestade para nos livrar de algo pior).
Ao ler a Bíblia descobrimos que há dois tipos de tempestade:
CORRREÇÃO
É quando não obedecemos a Jesus. Aí para nos corrigir, Ele nos envia a uma tempestade para nos disciplinar afim de aprendermos a obedecê-lo.
Jonas é um exemplo claro. Deus o mandou para Nínive, porém, ele quis ir para Társis. Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte. PV 14.12
Que profeta é esse que cria a sua própria rota? Que servo é esse que não gosta de obedecer?
Então no meio da tempestade Jonas abre os olhos e reconhece que estava errado.
Para não causar mais danos em quem não tinha nada a ver com isso, ele se joga no mar.
Quando desobedecemos a Deus, colocamos não só a nossa vida em risco, mas a todos que estão a nossa volta. (Cuidado! Você pode estar colocando pessoas em risco).
Agora, dentro do mar, apesar da tempestade ser a mesma, Jonas é outro. Ele obedece a Deus.
Então Deus envia um submarino de carne para socorrê-lo. (Ele iria se afogar).
APERFEIÇOAMENTO
É quando entramos em uma tempestade por obediência a Deus. E ali, Ele nos ajuda a crescer.
UM EXEMPLO DISSO ESTÁ NO TEXTO LIDO
Jesus deu uma ordem para os discípulos. Eles obedeceram e entraram no barco indicado por Jesus. Jonas também recebeu a ordem para embarcar. Ele obedeceu. Porém, entrou no barco errado. Você está no barco certo?
Se você está no barco certo, ou seja, se você é obediente, não se preocupe com a tempestade.
Mesmo em meio às tribulações, podemos contar com várias certezas:
“ELE NOS TROUXE AQUI” – “E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco.” V.14
Não era a primeira vez. Jesus já os havia testado numa tempestade anteriormente quando estava no barco com eles Mc 8.23-27. Agora Ele os testa permanecendo fora do barco.
Podemos enfrentar uma tempestade com Jesus no barco ou não. Mas o importante é que Ele sempre nos socorre.
Muitos cristãos têm a idéia equivocada de que, ao obedecer à vontade de Deus, só navegarão por águas tranqüilas. (Não existem águas tranqüilas. Existe tranqüilidade em Jesus).
Quando nos encontrarmos numa tempestade por causa de nossa obediência ao Senhor, devemos lembrar que ele nos trouxe até aqui e cuidará de nós.
Quando você estiver no meio de uma tempestade por obediência a Jesus, não murmure. Agradeça, glorifique. Pois Deus quer se revelar de forma poderosa a você.
Enquanto os discípulos estavam na tempestade Jesus esta orando por ele
“ELE ESTÁ ORANDO POR NÓS”
“e despedida a multidão, subiu ao monte para orar”. v. 23
Essa cena ilustra a igreja e o Senhor nos dias de hoje. A igreja está no mar, em meio a tempestade e Jesus está no céu intercedendo por nós.
“Quem nos condenará? Pois é Cristo quem morreu, ou antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.” (Rm 8.34).
Assim como Jesus estava no monte orando pelos discípulos, hoje Ele está a direita do Pai intercedendo por nós.
Assim como Ele desceu do monte para socorrer os discípulos, hoje Ele desce do céu para nos socorrer.
Jesus estava vendo os discípulos e sabia a situação deles. “E vendo que se fatigavam a remar, porque o vento lhes era contrário…” Mc 6.48
Assim como nos vê hoje e sabe de nossas necessidades.
Se soubéssemos que Jesus está na sala ao lado orando por nós, certamente sentiríamos mais coragem para enfrentar a tempestade e fazer a vontade dele.
“ELE VIRÁ ATÉ NÓS”
“Dirigiu-se Jesus para eles, por cima do mar” v.25
No meio da tempestade costumamos achar que Jesus nos abandonou. Quem sabe você está pensando exatamente isto.
Jesus sempre vem ao nosso encontro. (Fique tranqüilo! Ele sempre vem. “Quando passares pelas águas eu estarei contigo…” Is 43.2)
Assim como Ele desceu do monte para socorrer os discípulos, hoje Ele desce do céu para nos socorrer.
Porque Jesus andou sobre as águas? Para mostrar a seus discípulos que a coisa que mais temiam (mar revolto) era apenas caminho para que se aproximasse deles. A sua dificuldade pode ser o caminho que Jesus está usando para chegar até você.
Porque os discípulos não reconheceram Jesus? Porque não estavam procurando por ele.
“ELE NOS AJUDARÁ A CRESCER”
Esse era o propósito da tempestade: ajudar os discípulos a crescer na fé.
Voltemos nossa atenção agora para Pedro.
Criticamos Pedro dizendo que ele não teve fé suficiente e por isso afundou. Mas ele saiu do barco. Será que nós sairíamos do barco? Porque você não sai do barco agora?
Pedro afundou porque sua fé vacilou. Chegou um ponto em que ele não sabia se olhava para Jesus ou para o mar revolto.
“Porque duvidastes?” (v.31). Duvidar aqui tem o sentido de mostrar-se incerto de escolher entre dois caminhos.
Pedro começou com fé, mas terminou afundando, pois viu dois caminhos em vez de um.Quantos caminhos você está vendo? Só há um caminho: Jo 14.6
Pedro percebeu a tempo que estava afundando e pediu socorro a Jesus. Eles entraram juntos no barco.
As tempestades da vida não são fáceis, mas são necessárias. Elas nos ensinam a confiar somente em Jesus e a obedecer a Sua Palavra.
Preste atenção: Fé não é crer apesar das evidências, mas sim obedecer apesar das conseqüências.
“ELE NOS AJUDARÁ ATÉ O FIM”
“E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o” v.31
Se Jesus diz “vem”, Ele cumprirá o propósito até o fim. Jesus jamais te abandonará.
Jesus completará toda obra que começar em nós.
Podemos até falhar no caminho. Mas Deus nos sustentará com seu poder.
Depois que Jesus acalmou a primeira tempestade (Mt 8. 23-27), os discípulos disseram:”Quem é este que até os ventos e o mar lhe obedecem?”
Mas aqui seu testemunho foi: “Verdadeiramente é Filho de Deus!”
Os discípulos haviam ajudado a alimentar cinco mil pessoas. Mais tarde, Deus permitiu que enfrentassem uma tempestade.
No livro de Atos, logo depois que os discípulos ganharam 5.000 pessoas para Cristo (At 4.4), teve inicio a tempestade da perseguição
Com certeza Pedro e os discípulos lembraram-se da experiência que tiveram com o Senhor e encontraram coragem para prosseguir.

Read More